Fiat será marca regional com apelo em design, diz presidente da marca

Fiat será marca regional com apelo em design, diz presidente da marca

O grupo empresarial se chama Fiat Chrysler. No entanto, nem Fiat, nem Chrysler serão as principais marcas do conglomerado. Os planos da FCA para os próximos anos começaram a ser revelados no início do mês.

No entanto, a Fiat ficou de fora das apresentações das chamadas marcas “globais” – Jeep, Ram, Alfa Romeo e Maserati.

Nesta segunda-feira (24), o presidente da FCA para a América Latina, Antonio Filosa, deu mais detalhes sobre o futuro da Fiat.

“A Fiat será uma marca regional, com um DNA forte em design”, diz.
Isso quer dizer que a empresa pode ter atuação mais tímida (ou ficar de fora) dos maiores mercados do mundo, como Estados Unidos (onde atualmente vende 5 modelos) e China (onde tem 3 veículos à venda).

Aposta no Brasil

É aí que o Brasil entra como uma grande aposta na continuidade da fabricante centenária.

“A Itália vai fazer o mesmo papel que o Brasil para a Fiat, só que na região Europa e Oriente Médio”, afirma Filosa.

O papel citado pelo presidente é o de ser protagonista na produção e venda de carros da Fiat.

Para que isso se concretize, a Fiat receberá cerca de R$ 9 bilhões em investimentos nos próximos cinco anos (dos R$ 14 bilhões que a FCA irá aplicar na América Latina). A maior parte do montante será destinada a novos produtos – serão ao menos 15 nos próximos cinco anos.

Pelo menos três dos futuros lançamentos da Fiat serão SUVs, segmento que a marca não atua desde que o Freemont saiu de linha há alguns anos. E até 2022 virão logo três.

"Teremos um veículo utilitário de acesso, outro para a família, e outro maior, também familiar", descreve Filosa.

Isso vai em sentido oposto ao que o ex-mandatário, Stefan Ketter, afirmou ao G1, em entrevista gravada em dezembro. Na ocasião, Ketter disse que os SUVs seriam prioridade da Jeep.

Agora, Filosa explicou as diferenças entre SUVs da Fiat e da Jeep.

Fonte: G1 Carros

2018-07-13